Escolha uma Página

O que é intraempreendedorismo?

por | mar 14, 2019 | Empreendedorismo

Você alguma vez ouviu falar ou sabe o que é intraempreendedorismo?

Empreender sem investir um único centavo, apenas usando sua dedicação, ideias e tempo pode parecer um ótimo caminho para iniciar sua caminhada rumo às 4 liberdades, não é mesmo?

Para saber um pouco mais sobre as quatro liberdades, clique ali no link em destaque, mas fica aqui nesse artigo comigo, depois você entende melhor sobre as 4 liberdades. 😉

Mas antes de colocar o meu ponto de vista sobre essa estratégia do intraempreendedorismo, gostaria de lhe passar um pouco sobre teoria quanto a esse assunto.

Resumidamente, intraempreendedorismo diz respeito aos profissionais que trabalham dentro de uma empresa e buscam de forma consciente ou não desenvolver projetos que melhoram os processos, as relações com os clientes e os resultados de alguma coisa de maneira geral.

De algumas décadas para cá, muitas empresas e profissionais estão debatendo e aplicando o conceito de intraempreendedorismo. Mas, para explicar como esse cenário veio à tona, eu preciso convidar você a entender rapidamente as mudanças que aconteceram nas relações de trabalho.

Houve a relação vertical, formada por um ou mais chefes, supervisores e um grupo de funcionários que apenas recebiam ordens e as executavam como se fossem máquinas (este cenário me faz lembrar o filme Tempos Modernos, do eterno Charles Chaplin).

A necessidade de ganhar um pouco de voz e vez fez com que esse processo engessado fosse substituído por uma relação mais horizontalizada no ambiente de trabalho, com espaço para uma comunicação mais próxima e sem ruídos.

A tecnologia e o acesso das pessoas aos meios cada vez mais velozes de comunicação fizeram com que o mundo girasse cada vez mais rápido. Os profissionais começaram a chegar às empresas cada vez mais instruídos e cheios de conhecimentos para serem compartilhados.

Com isso, chefes ganharam status de líderes e funcionários passaram a ser chamados de colaboradores, porque tinham agora mais liberdade de pensamento.

E, agora, aqueles colaboradores que apresentam um perfil mais proativo e, digamos, insatisfeito com o cenário em que estão, acabam levando para dentro de seus ambientes de trabalho o intraempreendedorismo.

Este conceito é praticado por meio de ideias e projetos apresentados por pessoas que, sendo inquietas e inconformadas, passaram a levantar da cadeira e buscar tornar o dia a dia no trabalho mais qualificado e transformador.

Faça uma pausa aqui e reflita sobre você no seu trabalho…

Ah, Denis, então quer dizer que intraempreendedor é ser empreendedor?

 

Sim, de certa forma é. Porém, o intraempreendedorismo permite que o profissional teste sua veia empreendedora dentro da empresa onde trabalha.

É o que chamo de CLT empreendedor… é como se você se sentisse parte da empresa e tão à vontade a ponto de querer arrumar a casa e deixar tudo organizado para que seu trabalho e o de seus colegas flua de uma maneira muito melhor.

Claro, nem todas as empresas estão preparadas para abraçar o conceito de intraempreendedorismo, uma vez que é preciso oferecer um ambiente propício para que os colaboradores (você) possam propor ideias e tenham a possibilidade de testar e desenvolver novos projetos em prol de todo o sistema.

Ao mesmo tempo, eu penso assim: não adianta uma empresa estar aberta ao intraempreendedorismo, mas ser composta por pessoas que não têm o menor perfil para fazer a coisa acontecer! Avalie!

Um colaborador com perfil empreendedor possui algumas características muito importantes, o qual eu sinto que sempre tive. São elas:

  • Um eterno insatisfeito: um intraempreendedor não sossega. Está sempre de olho em tudo, tentando descobrir algo que possa se oferecer para melhorar; 
  • Não tem medo de errar: o fato de propor mudanças o tempo todo não significa que esteja sempre certo. Testar ideias e saber tirar proveito das experiências para aplicar em novos projetos é fundamental. Por este motivo, está em crescimento constante. 
  • É proativo: ninguém precisa mandar você pensar em algo. Você já fez a lição de casa por si só. Mas deixe quem “manda” saber das suas iniciativas e ideias. 
  • Na maioria das vezes se alinha com a visão da empresa: o fato de você ter muitas ideias não quer dizer que você seja um intraempreendedor, você precisa fazer e provar que faz sentido dentro do contexto da empresa. 
  • Apresenta soluções, não problemas: você já deve ter ouvido histórias sobre pessoas que só reclamam e esperam uma solução para tudo. Então, ser intraempreendedor significa observar o problema e apresentar soluções. Isso foi sempre o que esperei das pessoas em minhas equipes.

 

Legal, Denis, e como as empresas devem encarar o intraempreendedorismo?

 

Bem, quanto mais as empresas abrem suas portas para este novo conceito aos seus colaboradores, mais os profissionais sentem vontade de expor suas ideias e fazer a coisa toda acontecer de maneira mais criativa e produtiva.

A necessidade de as empresas apostarem em colaboradores com um perfil mais empreendedor é bastante debatido por Peter Senge, estudioso que escreveu “A Quinta Disciplina”, na década de 1990, uma obra consagrada que desperta as organizações para a importância do conhecimento contínuo.

No livro, Peter Senge defende que as organizações que aprendem são aquelas nas quais as pessoas aprimoram continuamente suas capacidades para criar o futuro que realmente gostariam de ver surgir.

Ou seja, o intraempreendedorismo é praticado por pessoas que possuem visão, que conseguem desenvolver ideias e projetos que tornem real os seus melhores conceitos sobre pessoas e suas relações com a vida e o trabalho.

Para que as empresas possam colocar em prática sua capacidade de aprendizagem organizacional contínua, Peter Senge explica que é preciso adotar cinco disciplinas:

Domínio Pessoal: habilidade de ampliar a capacidade pessoal de seus colaboradores, de forma que possam criar um ambiente organizacional que estimule toda a equipe a se desenvolver e alcançar seus objetivos.

Modelos Mentais: estimular a reflexão contínua da percepção de mundo e das crenças de seus colaboradores, observando como esses conceitos moldam suas ações e decisões.

Visão Compartilhada: construção de um senso de compromisso de grupo, baseada em princípios, práticas e diretrizes que resultem em uma visão de um futuro comum e o alcance de resultados.

Aprendizado em Equipe: criação de um ambiente propício para troca de conhecimentos que levem ao desenvolvimento e aproveitamento da inteligência coletiva em prol de toda a organização.

Pensamento Sistêmico: está no topo da lista das disciplinas de uma organização em constante aprendizado. Aqui, é reforçada a necessidade de compreender as forças e inter-relações que giram em torno do comportamento de sistemas, de forma que seja possível entender como torná-los mais eficazes e alinhados com processos do mundo natural e econômico.

Parece complexo? Mas não é, viu.

O intraempreendedorismo é uma via de mão dupla. A empresa dá liberdade para seus colaboradores “saírem da caixa” e os colaboradores devolvem a confiança em forma de ações que alavancam os resultados da empresa e a satisfação pessoal e profissional de todos os envolvidos.

Não é fácil, mas está evoluindo e se você não percebe isso no seu dia a dia é hora de você repensar a sua situação atual. Sabe por quê?

“Você já percebeu que está em um outro nível de consciência profissional? E se você conseguiu parar e entender que não existem oportunidades para você, chegou a hora de mudar.”

 

Minha fase intraempreendedora me fez chegar até aqui!

 

Desde meados de março de 1998 me tornei intraempreendedor, ainda inconsciente, mas já era um intraempreendedor.

Digo isso pois, lá atrás, em meu primeiro emprego CLT, quando trabalhei nas Lojas Renner, mais exatamente no setor de calçados como vendedor, eu já notava oportunidades de melhorias em processos e formas de reduzir o trabalho braçal e aumentar as vendas.

Sou algum gênio? Definitivamente, não!

Como sempre digo, existem coisas que fazemos na vida que sabemos exatamente o que estamos fazendo e aonde queremos chegar, mas na grande maioria das vezes não sabemos o que estamos fazendo, apenas fazemos na certeza de que é algo bom e que trará algum resultado.

Então, foi assim que tive minha primeira empreitada como intraempreendedor, participando de um programa de melhoria contínua e redução de custos, o Renner Times.

Revista Renner Capa e Página

Essa foto mostra muito bem o que é investir tempo, dedicação e buscar resultados!

Nesse projeto, eu e o meu time fomos premiados com o valor equivalente a um salário por encontrarmos uma forma de reduzir o custo com papel para impressão dos famosos carnês das Lojas Renner.

Esse é apenas um dos exemplos. Posso listar outros abaixo para ajudar você a entender que existem oportunidades para intraempreender em todo lugar, basta ter vontade de fazer algo diferente e se dispor a resolver problemas.

Carta de Efetivação Simens

Tempos depois, quando trabalhava como estagiário na Siemens, esse é o e-mail do meu gerente na época, e um querido amigo hoje, pedindo ao RH os procedimentos para que eu fosse efetivado após apenas oito meses de empresa.

Ainda inconsciente sobre intraempreendedorismo na época, hoje entendo que fui efetivado muito rápido pelo fato de, mesmo estando em uma posição básica na empresa, estagiário, eu já me envolvia com os problemas do departamento e me colocava sempre à disposição para ajudar.

Sabe qual o foi o resultado disso? Fui efetivado muito antes do que a maioria dos estagiários da empresa…

Essa imagem abaixo mostra mais um reconhecimento pelo meu trabalho intraempreendedor na Siemens, por saber como investir meu tempo, dedicação e buscar resultados!

Premiação por Desempenho na Simens Denis Minchiotti

Um prêmio por desempenho que me valeu mais um salário no ano de 2008 e possibilitou fazer a minha Eurotrip junto com minha esposa, Alessandra.

Essa imagem acima mostra mais um reconhecimento pelo meu trabalho intraempreendedor na Siemens, por saber como investir meu tempo, dedicação e buscar resultados! Um prêmio por desempenho que me valeu mais um salário no ano de 2008 e possibilitou fazer a minha Eurotrip junto com minha esposa, Alessandra.

Lembra aquele papo lá em cima sobre “inconsciência” quanto ao intraempreendedorismo? Nesse momento da minha carreira como CLT, eu já tinha uma consciência das possibilidades e oportunidades que poderia ter trabalhando em uma grande empresa, como a Siemens, e aproveitei essa oportunidade.

Matéria no Jornal sobre o Gigaset Colors

Lembra da época onde as empresas começaram a dar ao mercado a oportunidade de customizar tudo: a Fiat com o Novo Uno, a Samsung e outras marcas com os celulares coloridos, as Camisarias online “faça sua estampa”, entre outras iniciativas?

Então, eu não deixei essa oportunidade passar e criei junto com o meu time na época o conceito do telefone fixo para residência com a cara da sua casa. Então, criamos a linha “Colors” de telefones sem fio.

Com isso, eu pude participar de entrevistas e aparecer em alguns jornais pelo país, pode ser que você tenha me visto por aí na época. (rs)

Você percebeu que é possível, sim, ser um “empreendedor” sem investir nada do seu bolso, apenas seu tempo, empenho e dedicação, e sentir como projetos podem ser realizados?

 

E você?

 

É só mais um na lista de colaboradores ou é a pessoa que quer se destacar e aproveitar essa oportunidade de ter um salário caindo na conta todo mês garantido e ainda se preparar para dar o próximo passo em busca das 4 liberdades?

Agora, você pode deixar seu comentário e ir lá ler esse artigo que julgo ser um dos mais interessantes aqui do meu blog.

Consegui inserir você no universo do intraempreendedorismo? Espero que sim!

E me conte: sua empresa oferece oportunidades para você intraempreender? Você constrói oportunidades para mostrar seu lado empreendedor?

Conte pra mim aqui nos comentários que vou ler e responderei para você, ok.

Ah! Sinta-se à vontade para compartilhar este artigo nas suas redes sociais e mandar esse link aqui para o WhatsApp de algum amigo também.

Um GRANDE abraço e até breve!

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10.000 horas são necessárias para você se colocar como especialista em algo, então eu posso dizer que sou especialista em trabalhar como
CLT e como Empreendedor?
Acho que sim e faz todo sentido.

Agora tenho buscado minhas 10.000 horas para me tornar um marido, pai, pessoa diferente da grande maioria e viver uma vida melhor e mais livre! Espero que esse seja seu objetivo também em estar por aqui. 🙂

Email
Facebook
Facebook
LinkedIn
Instagram